Ações da Huawei e da Xiaomi reagiram às notícias dos EUA

Ações da Huawei e da Xiaomi reagiram às notícias dos EUA

Tempo de leitura: 2 minutos



Depois que Joe Biden ganhou a eleição presidencial nos EUA, muitos analistas se perguntaram se o novo presidente mudaria o quadro da política externa do país e, assim, melhoraria o relacionamento com a China.

E agora a situação com Huawei e Xiaomi demonstra que ainda não há uma resposta inequívoca. Vamos entrar em detalhes sobre o que está acontecendo com as empresas chinesas nos EUA.

Americanos podem investir na Xiaomi novamente

Em 13 de março, a Reuters anunciou que a Suprema Corte dos Estados Unidos suspendeu temporariamente a proibição da Xiaomi, uma das empresas de tecnologia mais populares da China: os investidores americanos foram novamente autorizados a comprar suas ações e fazer um contrato com ela.

O Tribunal afirmou que a base de evidências fornecida pela administração de Donald Trump não conseguiu persuadi-la em qualquer cooperação entre o maior fabricante mundial de smartphones e as forças de defesa chinesas.

O que aconteceu com as ações da Xiaomi?

Lembre-se que no dia 15 de janeiro, durante a presidência do senhor Trump, Xiaomi entrou na lista negra do governo dos Estados Unidos ao lado de mais 8 empresas chinesas. Eles ficaram totalmente isolados dos investimentos americanos. Naquele momento, as ações da Xiaomi (HK: 1810) caíram 10.6% de 32.6 para 29.3 HKD.

Em 12 de março, quando começaram a se espalhar rumores de que a proibição poderia ser suspensa, as ações da Xiaomi cresceram na bolsa de Honk Kong em 4.12%, de 21.85 para 22.75 HKD. No dia 15 de março, quando apareceu a informação oficial do STF, as ações foram crescendo e, no momento da elaboração deste artigo, já haviam crescido 7.25% para 24.4 HKD.

Huawei se sentindo ainda pior

No dia 12 de março, a mesma Reuters fez saber que a administração do novo presidente deu início a alterações nas licenças das empresas americanas que trabalham com a Huawei.

Observe que essa empresa produtora de smartphones, equipamentos de telecomunicações e outros gadgets também entrou na lista negra. Especialistas afirmam que as novas limitações violarão alguns acordos já assinados com o conglomerado chinês.

As ações da Huawei (SZ: 002502) reagiram moderadamente às notícias sobre novas limitações. Na Bolsa de Valores de Shenzhen, as cotações perderam apenas 1.03%, chegando a 2.87 yuans chineses por ação.

Resumindo

O que temos aqui? Por um lado, a Xiaomi teve algumas limitações removidas, embora temporariamente, por isso agora tem acesso aos investimentos americanos. Por outro lado, as empresas americanas que cooperam com a Huawei dificultam suas vidas.

Olhando para essa situação polêmica e emocional, tenho dificuldade para entender se o governo Biden tenta suavizar as arestas do relacionamento EUA-China ou segue pelo mesmo caminho de agressão. Qual a sua opinião? Conte-nos nos comentários abaixo.

O que mais ler sobre Xiaomi e Huawei no R Blog?




Publicaremos artigos com base nas melhores sugestões.

Comentários

Artigo anterior

Uma Semana no Mercado (03/15 - 03/21): Hora dos Bancos Centrais

Outra semana de março será surpreendentemente agitada: haverá muitas sessões de bancos centrais, um fluxo de estatísticas, o que significa que os investidores poderão desfrutar de toda uma variedade de drivers ou de tomar decisões comerciais.

Próximo artigo

Coursera IPO: uma universidade no seu sofá

Neste artigo, vou falar sobre uma oferta pública inicial de um dos principais fornecedores de cursos online do mundo, o Coursera. Durante várias rodadas de financiamento, a empresa levantou mais de US $ 400 milhões e atualmente está estimada em US $ 2.5 bilhões.